Câncer de estômago

 

 

O câncer de estômago (gástrico) é mais frequente em adultos. Aproximadamente 65% dos pacientes diagnosticados têm mais de 50 anos.

 

No Brasil, esses tumores aparecem em terceiro lugar na incidência entre homens e em quinto, entre as mulheres. No resto do mundo, dados estatísticos revelam declínio da incidência, especificamente nos Estados Unidos, Inglaterra e outros países mais desenvolvidos. Fatores de Risco

 

 

Existem diversos fatores de risco associados ao câncer gástrico, porem a dieta tem se mostrado a mais importante. Uma dieta rica em alimentos salgados, defumados,em conserva e mal preservado aumenta o risco. Já dietas ricas em vegetais, vitamina C e antioxidantes parece ser protetora. O principal fator de risco para esta neoplasia é a infecção pelo H. pylori, uma bactéria presente em água e alimentos contaminados e que acomete metade da população mundial e que em cerca de 5% dos casos leva a um processo inflamatório crônico do estômago que pode evoluir para câncer.

 

Sintomas do Câncer de Estômago

 

No início da doença podem aparecer sintomas semelhantes aos de uma gastrite com sensação de queimação na parte superior do abdome relacionado a alimentação, azia e náuseas. Nesta fase, a Endoscopia Digestiva Alta é o exame que pode identificar o tumor ainda em fase inicial, aumentando as chances de cura. Algumas características como perda de peso, anorexia, cansaço inexplicável, vômitos, náuseas e desconforto abdominal persistente podem indicar um tumor benigno ou mesmo o câncer de estômago. É importante ressaltarque o vômito com sangue é um sintoma frequente e ocorre em aproximadamente 10% dos casos de tumores malignos de estômago.

 

Diagnóstico

 

A Endoscopia Digestiva Alta é o principal exame para diagnóstico de câncer gástrico. Deva ser realizada em todos pacientes acima de 45 anos com sintomas de gastrite persistente e nos pacientes mais jovens que também apresentam esses sintomas, mas não apresentam melhora satisfatória com tratamento clínico. Todos pacientes com quadro de gastrite apresentando sintomas atípicos como refluxo, dificuldade para engolir, icterícia entre outros devem realizae

 

Endoscopia independente da idade. Através deste exame , o endoscopista avalia toda mucosa gástrica e retira fragmentos de lesões suspeitas para biópsia.

 

Tratamento para o Câncer de Estômago

 

Os pacientes com diagnóstico de câncer gástrico devem realizar tomografia de abdome e algumas vezes laparoscopia diagnóstica para realizar o que chamamos de estadiamento pré-operatório, ou seja, definir o quão avançado esta a doença para definir o planejamento cirúrgico. A única chance de cura é a retirada do tumor com gânglios linfáticos adjacentes. Geralmente é ressecado todo estômago ou parte dele dependendo do local em que esta o tumor.

 

A quimioterapia traz muito pouco benefício para a doença. Mesmo assim a cada dia surgem novos estudos com novos esquemas e medicamentos. A imunoquimioterapia, um novo tratamento específico que age contra proteínas exclusivas do tumor, tem sido uma nova abordagem terapêutica. A cirurgia minimamente invasiva (laparoscópica e robótica) tem permitido que realizemos a retirada do estômago inteiro (gastrectomia total) ou parte dele (gastrectomia parcial) junto com seus linfonodos através de 5 a 6 pequenas incisões (entre 0,5 e 1,5 cm).

 

As vantagens desse tipo de procedimento são: menor dor após cirurgia, menor risco de sangramento, melhor aparência estética e alta precoce. Ainda mais recente temos realizado acesso laparoscópico associado a cirurgia robótica, permitindo movimentos ainda mais refinados e visão tridimensional do campo cirúrgico tornando o procedimento ainda mais refinado e seguro.

 

Em nosso país ainda são muito poucos os serviços que realizam cirurgia robótica, porém em

países como Estados Unidos já são mais de 1000 aparelhos deste tipo em funcionamento.


Especialidades: